Certa vez ouvi o jornalista Juca Kfuri explicar o comportamento tático de um time: “Aqueles dois lá na frente são apenas carregadores de bola. O time precisa é de jogadores que saibam pensar e organizar rápidas estratégias, que saudades do Gerson e do Pelé, jogadores assim, fazem uma diferença enorme no jogo”.

E na área empresarial, onde estão seus pensadores, seus estrategistas? Uma empresa que atendi sofria constantes prejuízos na entrega de produtos porque os freteiros pisavam em cima das embalagens e quebravam algumas peças. Compradores e vendedores estavam roucos de tanto clamar por uma solução, mas nada. Ninguém se dava ao trabalho de pensar em resolver o problema. Depois de muito tempo recolhendo produtos quebrados das lojas, passando por todo o processo de devolução e prejuízos enormes, o presidente da empresa se dispôs a ir à linha de produção e em cinco minutos encontrou a solução. Apenas um calço, um simples calço, no lugar certo resolveu de vez o assunto. Será que ninguém poderia ter pensado nisto antes? Uma solução tão óbvia. Num momento em que sobram títulos de MBAs e diplomas de doutores, faltam pensadores, principalmente, os do óbvio e da simplicidade.

Muitos, por preguiça, se voltam para a ação e não para a atividade do pensar, uma tarefa que exige concentração, disposição para a criatividade, dá trabalho e cansa.

Pular de uma atividade que exige ação para a atividade do pensar é como pular de uma esteira rolante para o chão fixo. Você literalmente cai.

Um dos limitantes nas atividades do pensamento no ambiente empresarial é a interrupção contínua do trabalho que está sendo realizado.

Sempre há alguém, ou algum assunto, para te tirar da linha do pensamento: telefones, visitantes, reuniões, chamadas, etc. Ora, nosso cérebro funciona como um circuito elétrico e cada vez que você corta o fluxo ele tem que voltar e fazer tudo de novo, ligar as sinapses na ordem do raciocínio interrompido e recomeçar a trilha. Por isso, se você quer ser um pensador, procure isolamento, aprenda a arte da concentração e peça para não te interromperem. Quando for trabalhar numa estratégia, seja ela de vendas, de marketing ou de produtos procure o delírio, isto é, pense sobre tudo o que for possível e impossível. É na quantidade que você vai chegar à qualidade. Thomas Edison, um grande pensador, dizia: para se ter uma boa ideia tenha muitas.

Tenho observado que gerentes, pequenos e médios empresários estão tão voltados para a ação que não têm tempo e nem energia para pensar nas estratégias de vendas e de negócios. É justamente no trabalho da estratégia e do pensamento que irão ser julgados. Os temas inovação e criatividade estão voltando com força no ambiente empresarial. A própria revista Amanhã já deu destaque para o assunto várias vezes. Como se faz inovação ou criatividade em uma empresa? Ora, atraindo pensadores. Se você gosta de pensar e propor inovações e a sua empresa não lhe dá chance de mostrar e colocar em prática o que propõe, pense bem, talvez esteja na hora de mudar de empresa.